Pular para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade
Seu Verão também é aqui

NO GOVERNO, PARENTE ERA CHAMADO DE "CABEÇA DURA"


Isso porque Temer considera que o fim dos subsídios da ex-presidente Dilma Rousseff —e que levaram a petroleira a uma grave crise financeira— já foi suficientemente compensado com a política de atualização diária dos preços, que vigora desde julho de 2017. A Petrobras agora é lucrativa e viável.

Por isso, antes da greve, Temer já vinha discutindo com Pedro Parente flexibilidade na política da estatal diante da alta elevada dos preços para a população.

Mesmo assim, o governo diz que Parente se recusava a entender que era preciso dar uma folga. Ministros próximos a Temer criticavam a inflexibilidade do executivo especialmente porque, para eles, Parente "esteve do outro lado do balcão".

Ele foi ministro-chefe da Casa Civil entre 1999 e 2003 (governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso) e liderou o grupo que, naquela ocasião, enfrentou a crise do apagão elétrico.

Essa tensão atingiu o ápice no final de quarta-feira (23). Para tentar aplacar a greve dos caminhoneiros, que protestavam pelo preço elevado do diesel, o governo propôs inicialmente zerar a Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) —R$ 0,05 por litro. Os recursos sairiam do projeto da reoneração da folha de pagamento, que tramitava no Congresso.

No final da tarde de quarta (23), o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) expôs publicamente a situação.

"Esta política (de preços) deu à Petrobras a condição que ela tem. Agora chegou o momento em que o presidente Michel Temer resolveu fazer com que nós analisássemos de novo o que nós temos que fazer em relação a isso", afirmou Padilha.

A Petrobras respondeu cerca de uma hora depois com um desconto de 10% no diesel nas refinarias durante 15 dias. Parente disse que era "um sinal da boa vontade da empresa" para que o governo tivesse tempo para negociar com os grevistas. Reforçou que se tratava de uma decisão da companhia e que ela não comprometia a política de preços.

No dia seguinte, reforçou sua posição para Temer: caso houvesse qualquer alteração na política de reajuste —sem que a estatal fosse compensada por isso— entregaria o cargo.

Na sequência, o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, anunciou, em entrevista à Folha, que o governo estuda a criação de um "colchão" permanente para subsidiar a Petrobras, que passará a fazer repasses mensais de preço de combustíveis, incluindo a gasolina.

Na segunda-feira (28), o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, apressou-se ao informar que não há recursos para um plano desse tipo. E que, para subsidiar a gasolina e o gás de cozinha, será preciso aumentar impostos.

Isso arranhou ainda mais a desgastada imagem de Pedro Parente no Congresso. Para boa parte dos parlamentares, é inadmissível rechear esse "colchão" com dinheiro da arrecadação.

"É penalizar o cidadão mais pobre", disse o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), que defendeu a demissão de Parente.

Até senadores favoráveis à liberdade de preço da Petrobras criticaram Parente.

O senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), pai do ex-ministro de Minas e Energia Fernando Coelho Filho (MDB-PE), disse que "a Petrobras cometeu um erro".

"Faltou previdência à direção [da estatal] para que criasse amortecedores [ao câmbio e ao petróleo], para que se evitasse uma política de reajustes de sete vezes em uma semana e que terminou gerando a ira dos caminhoneiros", disse Coelho.

O senador Armando Monteiro (PTB-PE), outro defensor da autonomia da estatal, concordou que a "política maluca" da estatal levou à greve. "Houve imprevidência do poder [da Petrobras]", disse.

Folha de S.Paulo

Comentários

Prefeitura de Gravatá

Postagens mais visitadas deste blog

OUTUBRO ROSA

Postado em 04 de outubro de 2023 Inteligência Artificial e rastreamento personalizado são os novos aliados no combate ao câncer de mama   O combate ao câncer de mama ganhou uma poderosa aliada: a inteligência artificial. É uma notícia alentadora em meio ao crescimento de taxas de câncer de mama em países como o Brasil e surge como reforço ao movimento internacional Outubro Rosa. Nenhuma tecnologia substitui o cuidado humanizado com a saúde da mulher, mas especialistas destacam que a Inteligência Artificial (IA) tem feito grande diferença na rotina diagnóstica, ajudando a melhorar a qualidade das imagens e apontando achados sutis que podem mostrar o câncer em estágios iniciais. O indicativo é que a IA pode contribuir a partir dos algoritmos de “deep learning”, com o objetivo de potencializar o aprendizado de máquinas, utilizando técnicas avançadas que empregam um raciocínio similar ao ser humano, fazendo com que as máquinas aprendam padrões por meio das redes neu

Atenção!

Postado em 19/04/23 A Prefeitura de Gravatá informa que na manhã desta quarta-feira (19), um jacaré foi capturado na Rua Quintino Bocaíuva, próximo ao Rio Ipojuca. A equipe da Guarda Municipal passava no local quando foi comunicada e, ao isolar o local, acionou o Corpo de Bombeiros para a captura do animal. Alertamos a todos que se avistarem algum animal selvagem, não se aproximem e acionem imediatamente a equipe da Defesa Civil, Guarda Municipal ou Corpo de Bombeiros para realizar a captura. Mantenha-se seguro e alerta em sua comunidade, e sempre comunique às autoridades caso observe algum animal que possa representar um risco. Juntos, podemos manter nossa cidade segura! Gravatá, 19 de abril de 2023. - Defesa Civil e Guarda Municipal 0800 000 1379 - Bombeiros Militar 193

Grupamento de Bombeiros do 1º GB realizou Treinamento Integrado de Resgate em Gravatá

Postado em 29 de maio de 2024 Participaram da atividade a Defesa Civil, o Samu, a Polícia Militar, a Guarda Civil Municipal e a Secretaria de Saúde O Grupamento de Bombeiros do 1° GB organizou uma iniciativa importante, reunindo diversas entidades para uma aula teórica seguida de treinamento integrado e prático. A instrução de resgate em Áreas Inundadas e Sistema de Comando de Incidentes (SCI) aconteceu segunda-feira (27) no quartel dos bombeiros de Gravatá. Participaram da atividade a Defesa Civil, o Samu, a Polícia Militar, a Guarda Civil Municipal e a Secretaria de Saúde. Este treinamento é o primeiro passo para a realização de ações práticas que envolvem instituições da linha de frente em cenários de desastres, promovendo a cooperação e aprimoramento das técnicas de resgate e resposta a emergências. Reportagem: Mathilde Souza com colaboração da Defesa Civil Fotos: cortesia da Defesa Civil