Pular para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade
Seu Verão também é aqui

COLUNA DO ROD SILVA: QUE GRAVATÁ QUEREMOS PARA O FUTURO?



Era Abril de 1986. Gravatá tinha pouco mais de 80 mil habitantes e poucas perspectivas de progresso, pois não havia investimentos na cidade e infelizmente a situação não tendia a melhorar. Isso é um dado antigo, mas este sempre foi o vetor de força contribuinte para o êxodo de muitos talentos gravataenses que partiram e ainda partem rumo ao horizonte para que possam por em prática, os seus conhecimentos e assim, desenvolverem uma carreira profissional. 

Naquela época, assim como ainda hoje, a única esperança de trabalho eminente está para além da Serra das Russas no sentido do mar. Com o passar do tempo, E assim, por muitos anos, esse êxodo virou rotina e Gravatá foi ficando para trás, se transformando numa cidade parada no tempo e sempre aquém do progresso. 

Apesar de tanto tempo já ter se passado, a situação ainda é a mesma; mas com uma agravante: AS DROGAS TOMARAM CONTA DE GRAVATÁ. “Onde o Estado não chega, a marginalidade toma conta.” Esta célebre frase é antiga, mas muito atual para a nossa cidade, pois nada mudou, nada muda e parece que não há perspectiva de mudanças futuras. Somos uma das maiores cidades do Interior de Pernambuco e vivemos uma falsa ilusão de “cidade turística. Na realidade, somos um “gigante adormecido.” Isso agrada a uma minoria, a qual tira proveito desse atraso todo, assim como flagela a grande parcela da população que clama por dias melhores. Infelizmente, pela ausência de investimentos em infraestrutura e emprego, os nossos jovens hoje encontram nas drogas a “solução” para a falta de trabalho e dinheiro para matar a fome, por exemplo. Isso é alarmante e vexatório e na mesma intensidade, muito triste. 

A grande pergunta que todos nós, filhos dessa terra de Sant’Anna e Justino Carreiro de Miranda, devemos nos perguntar é: QUE GRAVATÁ QUEREMOS PARA O FUTURO?

Porém antes de respondermos à essa pergunta, é preciso que analisemos o que de fato aconteceu à nossa cidade no decorrer de todas essas décadas e o que fazer para tentar salvar essa geração “quase perdida,” e assim garantirmos um futuro por deveras digno para as gerações vindouras. 

O resulto dessa análise é óbvio; haja vista que décadas se passaram e Gravatá continua sem indústrias, sem instituições de ensino superior presencial, sem lazer para a população, sem desenvolvimento e sem nada! A Educação é a viga mestra de qualquer sociedade. Infelizmente, os jovens gravataenses que tentam completar os estudos, tem que se locomover para outras cidades para frequentarem uma faculdade, arriscando-se a viajar à noite e ficando expostos a qualquer sorte. A impressão que temos é que o progresso só chega a Vitória de Santo Antão. De lá, ele dá um salto gigantesco até chegar em Caruaru. E Gravatá fica sempre a ver navios. E o tempo passa! “O tempo não para.”

Portanto, meus conterrâneos queridos, nas próximas eleições, antes de votarem, analisem bem as propostas e o que já foi “feito” por Gravatá nas gestões anteriores e se perguntem: Queremos que tudo isso continue como está, a apodrecer as nossas vidas, ou queremos de fato mudar e escrevermos uma nova história? 

Não fiquemos a ver a banda passar! Sejamos o maestro a conduzir a banda segurando a batuta com mãos firmes e fortes. Gravataenses: uni-vos!!! Amém!

Comentários

Prefeitura de Gravatá

Postagens mais visitadas deste blog

OUTUBRO ROSA

Postado em 04 de outubro de 2023 Inteligência Artificial e rastreamento personalizado são os novos aliados no combate ao câncer de mama   O combate ao câncer de mama ganhou uma poderosa aliada: a inteligência artificial. É uma notícia alentadora em meio ao crescimento de taxas de câncer de mama em países como o Brasil e surge como reforço ao movimento internacional Outubro Rosa. Nenhuma tecnologia substitui o cuidado humanizado com a saúde da mulher, mas especialistas destacam que a Inteligência Artificial (IA) tem feito grande diferença na rotina diagnóstica, ajudando a melhorar a qualidade das imagens e apontando achados sutis que podem mostrar o câncer em estágios iniciais. O indicativo é que a IA pode contribuir a partir dos algoritmos de “deep learning”, com o objetivo de potencializar o aprendizado de máquinas, utilizando técnicas avançadas que empregam um raciocínio similar ao ser humano, fazendo com que as máquinas aprendam padrões por meio das redes neu

Atenção!

Postado em 19/04/23 A Prefeitura de Gravatá informa que na manhã desta quarta-feira (19), um jacaré foi capturado na Rua Quintino Bocaíuva, próximo ao Rio Ipojuca. A equipe da Guarda Municipal passava no local quando foi comunicada e, ao isolar o local, acionou o Corpo de Bombeiros para a captura do animal. Alertamos a todos que se avistarem algum animal selvagem, não se aproximem e acionem imediatamente a equipe da Defesa Civil, Guarda Municipal ou Corpo de Bombeiros para realizar a captura. Mantenha-se seguro e alerta em sua comunidade, e sempre comunique às autoridades caso observe algum animal que possa representar um risco. Juntos, podemos manter nossa cidade segura! Gravatá, 19 de abril de 2023. - Defesa Civil e Guarda Municipal 0800 000 1379 - Bombeiros Militar 193

Fortes chuvas

Postado em 25/05/22 Alepe suspende trabalhos presenciais, mas mantém expediente remoto A Assembleia Legislativa de Pernambuco decidiu suspender o expediente presencial nesta quarta-feira (25/05) em virtude das fortes chuvas que atingem o Recife e a Região Metropolitana do Estado. As atividades administrativas, no entanto, estão mantidas de forma remota para não comprometer a gestão da Casa.  “Diante dos riscos que a chuva traz com alagamentos e outros transtornos, a prioridade deve ser a segurança. Temos condições de manter as atividades de forma remota, preservando a integridade dos servidores e seguindo com nossas tarefas no Legislativo”, informou o presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros (PSB).  As reuniões das comissões, assim como a sessão plenária, previstas para esta quarta, serão retomadas na próxima semana. Para amanhã, a biblioteca da Alepe promove mais uma edição do “Clube da Leitura” com debate sobre a obra de Michel A. Singer: “A alma indomá